Instituto Ethos de Empresas
e Responsabilidade Social (2021)

COMPROMISSOS DE AÇÃO CLIMÁTICA

Redes sociais:

Facebook

Twitter

Linkedin

Setor:

Sociedade Civil

Resumo de todas atividades climáticas:

O Instituto Ethos oferece as empresas associadas o Grupo de Trabalho de Meio Ambiente, um espaço para discussão multissetorial acerca do cumprimento dos objetivos do Acordo de Paris e como o setor empresarial tem mecanismos para ser liderança no caminho para uma economia de baixo carbono. Das principais ferramentas do GT estão, indicadores Ethos que em 2021 foram revisados à luz dos critérios conhecidos como ESG e, de produção coletiva do grupo, o documento Propostas e Recomendações Empresariais para a NDC brasileira, marca a posição do setor empresariado brasileiro.

 

O Instituto Ethos co-coordena espaços de organização multissetorial a exemplo cito a Conferência Brasileira de Mudança do Clima, cuja Declaração do Recife é resultado do engajamento multissetorial. Também somos parte do comitê organizador do Fórum Amazônia Sustentável que busca soluções conjuntas para garantir o desenvolvimento sustentável da região amazônica. Em 2021 focamos esforços em ampliar a rede de parceires, aproximando organizações locais e tradicionais das discussões.

 

Focamos, também, em 2021 na replicação dos resultados, destes três espaços citados acima, na COP26 com o objetivo de levar a demonstração de que os diferentes setores da sociedade brasileira permanecem engajados no enfrentamento à crise climática a despeito das posições do governo federal e do desmonte das políticas ambientais.

 

Em 2022 daremos continuidade às diversas ações citadas acima. Já iniciamos articulações para a estruturação do posicionamento da sociedade civil brasileira durante a Rio+30. Vemos como desdobramentos dos projetos atuais a incidência e articulação para as eleições de 2022, seja através de demonstrações setoriais ou através de redes de advocacy como a Rede de Advocacy Colaborativo (RAC).

Atividades climáticas atuais:

O instituto Ethos oferece as empresas associadas o Grupo de Trabalho de Meio Ambiente, um espaço para discussão multissetorial acerca do cumprimento dos objetivos do Acordo de Paris e como o setor empresarial tem mecanismos para ser liderança no caminho para uma economia de baixo carbono. Das principais ferramentas do GT estão, indicadores Ethos que em 2021 foram revisados à luz dos critérios conhecidos como ESG e, de produção coletiva do grupo, o documento Propostas e Recomendações Empresariais para a NDC brasileira, marca a posição do setor empresariado brasileiro.

 

O Instituto Ethos co-coordena espaços de organização multissetorial a exemplo cito a Conferência Brasileira de Mudança do Clima, cuja Declaração do Recife é resultado do engajamento multissetorial. Também somos parte do comitê organizador do Fórum Amazônia Sustentável que busca soluções conjuntas para garantir o desenvolvimento sustentável da região amazônica. Em 2021 focamos esforços em ampliar a rede de parceires, aproximando organizações locais e tradicionais das discussões.

 

Focamos, também, em 2021 na replicação dos resultados, destes três espaços citados acima, na COP26 com o objetivo de levar a demonstração de que os diferentes setores da sociedade brasileira permanecem engajados no enfrentamento à crise climática a despeito das posições do governo federal e do desmonte das políticas ambientais.

Demonstração de atividades atuais:

Atividades climáticas futuras:

Em 2022 daremos continuidade às diversas ações citadas acima. Já iniciamos articulações para a estruturação do posicionamento da sociedade civil brasileira durante a Rio+30. Vemos como desdobramentos dos projetos atuais a incidência e articulação para as eleições de 2022, seja através de demonstrações setoriais ou através de redes de advocacy como a Rede de Advocacy Colaborativo (RAC).

Oportunidades de parceria para o cumprimento dos compromissos da Declaração:

Entendemos que, pelo fato da Declaração ser um documento com compromissos multissetoriais, a definição de estratégias para o seu cumprimento também não seria diferente. O pleno cumprimento das metas aqui apresentadas dependem da capacidade de cada organização, mas especialmente das redes de articulação que dizem sobre a importância em garantir o cumprimento dos objetivos apontados, e em consonância, com o Acordo de Paris. Estimulando o protagonismo da sociedade brasileira em um tempo em que os canais de comunicação com o Governo Federal se estreitam.